Tempo de ser criança e ser feliz – o movimento

O tempo da infância, mesmo o das crianças pequenas, no momento em que vivemos, tem se caracterizado por muitas pressões e cobranças, considerando-se que há uma grande preocupação dos educadores – tanto na família quanto na escola, em preparar a criança para que tenha sucesso no futuro, sendo bem sucedida no mercado de trabalho. E o presente? É vivido e sentido com a intensidade que merece?

Marcha soldadoRespeitar o tempo de ser criança de nossos pequenos é um dos nossos grandes desafios em um mundo corrido e dominado pela tecnologia. Este cuidado é fundamental se quisermos preservar uma educação humanizadora. O processo de desenvolvimento da criança não pode ser acelerado ou ter etapas suprimidas. E cada uma tem seu próprio tempo, suas próprias características.

As atividades livres, as brincadeiras, as expressões espontâneas da infância acabam perdendo seu espaço-tempo. Em nome de um futuro mais promissor, o aqui-agora é deixado de lado, esmagado por muitas obrigações que sobrecarregam as agendas infantis e atropelam esta fase tão importante da vida que deixa marcas pela existência afora.

A primeira infância é um tempo em que há processos de desenvolvimento intensos e significativos como o amadurecimento cerebral, o desenvolvimento da linguagem, das emoções, da capacidade de aprender, das relações sociais, … E a criança necessita interagir com os desafios e possibilidades do mundo que a cerca, da sua realidade e, não, passar horas em contato com o mundo virtual, paralisada à frente da tela da tv, do celular ou do computador.

Quanto melhores forem as condições de desenvolvimento nessa etapa, mais chances terá a criança de se tornar um jovem e, posteriormente, um adulto mais equilibrado, com maiores possibilidades de desenvolver seus potenciais. A infância é um tempo de ser criança.

A criança e o movimento, expressão de vida

P1020689

É essencial que pais e professores da educação infantil possibilitem às crianças oportunidades de se movimentarem de forma espontânea, mais livre e que estimulem os cinco sentidos: audição, visão, paladar, tato e olfato de forma a experimentarem novas sensações, fazerem descobertas, atuarem no mundo que as envolve, de forma a serem mobilizadas corporalmente para a aprendizagem.

O movimento é muito mais que um deslocar-se no espaço ou uma forma de comunicação. Henri Wallon, conhecido estudioso da criança, aponta que o ato motor tem um importante papel na afetividade e na cognição infantil. Por volta do primeiro ano, com os primeiros passos, a criança explora de forma mais intensa o mundo à sua volta. Antes mesmo de falar, os gestos intencionais já nos mostram os desejos e respostas da criança: apontando o que quer, nos levando até o que deseja, interagindo conosco, mostrando que entende o que perguntamos ou falamos.

P1020691O movimento é fundamental para que a criança descubra o mundo, tendo dele consciência. É através do movimento que ela trava relações consigo mesma, com o outro e com o seu entorno. Ela conhece e experimenta o mundo através de seu corpo, é este que permite a aprendizagem. Pegar, sentir na pele, ouvir, discriminar ruídos, ver, experimentar cheiros diferentes, texturas variadas, novos sabores. Novas vozes, novas emoções, experiências de afetos, … e assim o mundo vai se mostrando, sendo descoberto, vivido e sentido. Assim vai aprendendo sobre limites, respeito e liberdade.

A primeira infância tem como características marcantes a necessidade de movimento, a curiosidade e a interatividade, o que precisa ser considerado por quem lhe oferece atividades, organizando-as de maneira mais dinâmica para que a criança pense, sinta e aja com todo o corpo. Um problema comum da escola é a proposta de movimentos automatizados e repetitivos que priva a criança de criar seus próprios movimentos, estimulando-as à cópia e à repetição.

Os estudos da teoria walloniana mostram que até se aproximar dos seis anos, a criança ainda não consegue focar sua atenção e ficar em uma mesma posição por muito tempo. Por isso, para que a escola possa exercer seu papel de trabalhar o desenvolvimento da criança, a educação infantil não deve exigir que a criança fique imobilizada atrás de uma mesinha, o que contraria suas necessidades vitais. Ela precisa ser estimulada a usar sua imaginação, seu corpo, sua criatividade, sua expressividade. Que possa dançar, brincar, interagir, cantar, enfim, aprender e ter seu desenvolvimento estimulado com prazer e alegria.

É por volta dos seis/sete anos de idade que ocorre o fortalecimento da cognição, podendo a criança ter maior controle sobre seus movimentos e mais autonomia para uma aprendizagem formal. Compreender as fases do desenvolvimento infantil propicia relações mais equilibradas na sala de aula e menor desgaste dos educadores. Também permite melhor compreensão das atitudes infantis, de que não é de castigo que a criança necessita quando não consegue ficar parada por muito tempo, muito menos de remédios que a façam perder sua natural espontaneidade.

Com um trecho do significativo e sensível poema de Pedro Bandeira, Vai já pra dentro menino!, encerro nosso texto desta quinzena. A poesia o complementa lindamente.

[…]

Se eu me fecho lá em casa,

Numa tarde de calor,

Como eu vou ver uma abelha

A catar pólen na flor?

Como eu vou saber da chuva

Se eu nunca me molhar?

Como eu vou sentir o sol,

se eu nunca me queimar?

Como eu vou saber da terra,

Se eu nunca me sujar?

Como eu vou saber das gentes,

Sem aprender a gostar?

Quero ver com os meus olhos,

Quero a vida até o fundo,

Quero ter barro nos pés,

Eu quero aprender o mundo!

Suas sugestões, comentários e perguntas são sempre muito bem-vindos. Deixe-os no espaço abaixo. Responderei assim que possível.

Um grande abraço e até a próxima.

Fotos de meu arquivo pessoal.

 

.

.

 

 

Author

Lucia Helena Pena Pereira é pedagoga e doutora em Educação. Atua com palestras e oficinas para professores da Educação Infantil, compartilhando a experiência adquirida em pesquisas e em sala de aula na Educação Básica e no Ensino Superior.

Comments

Leave a comment

Please enter comment.
Please enter your name.
Please enter your email address.
Please enter a valid email address.