Arte e educação emocional

No último artigo, analisei a importância da Arte para o desenvolvimento infantil, e vimos que, para que sejam atividades ricas e não castradoras, elas precisam dar espaço à expressão criativa, à sensibilidade, à intuição, à fantasia, à percepção da criança, à autonomia, não devendo ser utilizadas apenas para exercitar a coordenação motora, fazer cópias de modelos, ensinar cores, cantar para manter a ordem ou direcionar uma atividade, entre outras que não podem ser denominadas de atividades artísticas.

Nos Parâmetros Curriculares Nacionais de Artes (PCNs), encontramos um trecho que me parece muito significativo para reflexão: “O ser humano que não conhece a arte tem uma experiência de aprendizagem limitada, escapa-lhe a dimensão do sonho, da força comunicativa dos objetos à sua volta, da sonoridade instigante da poesia, das criações musicais, das cores e formas, dos gestos e luzes que buscam o sentido da vida”. Embora este documento apresente as diretrizes para o Ensino Fundamental, ou seja, para crianças a partir dos seis anos, é na Educação Infantil que a criança inicia suas experiências no campo das manifestações artísticas, essenciais para seu desenvolvimento integral – cognição, motricidade, afetividade, relações interpessoais e espiritualidade, seu potencial para se tornar uma pessoa melhor.

E que criança não é contagiada pela música e pela dança?  Pelos jogos teatrais em que podem dar vida a seus mundos imaginários, seja com o próprio corpo ou com fantoches? Para que mundos mágicos a leva uma história, uma pintura, um desenho ou uma escultura? São muitas as possibilidades de vivenciar a arte, seja na escola ou em outros espaços, incluindo o espaço de nossas casas.

agenda-digital-escolar-13

Em artigos anteriores – Expressão e organização das emoções na ponta dos lápis de cor e Conta outra vez?!Abrindo as portas de um mundo encantado… e encantador, analisei a importância do desenho para as crianças e das histórias infantis, por isso não me deterei nestas manifestações tão significativas  e especiais para nossos pequenos.  Vamos ver um pouco de outras formas expressivas.

A música

Ainda no ventre da mãe, os ritmos envolvem o bebê: os batimentos cardíacos da mãe, seus sons viscerais, o pulsar da placenta. Com o nascimento, ampliam-se as experimentações sonoras e rítmicas. As canções de ninar e o balanço do colo o envolvem em aconchego e proteção. A pulsação rítmica é algo que faz parte de sua vida, que lhe é familiar e natural.

O trabalho com a música na Educação Infantil deve valorizar múltiplas fontes sonoras: brinquedos e objetos do cotidiano (como sininhos, chocalhos, caixinhas e latinhas com grãos com sonoridades diferentes), que vão ajudando a criança a discriminar sons diversos. Também os instrumentos musicais são muito bem-vindos e desejáveis. Ainda com poucos meses, minha neta participava vivamente quando o pai tocava violão para ela. Dava gritinhos, agitava pernas e braços, sacudindo todo o corpo sem tirar os olhos dele. Eram momentos deliciosos de presenciar.

É muito importante enfatizar que o primeiro instrumento é o próprio corpo, grande fonte de produção sonora: a voz, sons diversos feitos com a boca, com as mãos, com os pés. Cantar e fazer movimentos são outra forma de expressão que agrada muito a criança e a ajuda a estimular sua coordenação motora, lateralidade e ritmo.

Atividades com a música ajudam a desenvolver na criança a percepção, a sensibilidade, a atenção, a imaginação, a curiosidade, a organização de ideias. Podemos brincar com o andamento da música (mais lento, um pouco mais rápido, acelerado), com o grave e o agudo, alto e baixo, sons de diferentes instrumentos (piano, violão, tambor, pandeiro, reco-reco, etc). E tudo se transforma em uma grande brincadeira. Por falar em brincadeira, relembro que as atividades artísticas para os pequenos são essencialmente lúdicas.

Vale enfatizar o poder da música sobre as crianças, inclusive sobre aquelas que têm necessidades especiais. A linguagem musical estimula o autoconhecimento e o equilíbrio, acalma e estimula, favorecendo, ainda, a interação. Tive a oportunidade de trabalhar com professoras da APAE e/ou que tinham turmas com alunos especiais que me contavam, muito animadas, resultados muito significativos quando utilizavam a música com seus pequenos após nossas aulas.

agenda-digital-escolar-9

A dança

A dança para a criança pequena pode ser compreendida como uma maneira de a criança explorar o seu potencial, expandindo suas possibilidades de deslocamento no espaço e de exploração deste espaço e do movimento. Possibilidades, também, de estabelecer relações com outras crianças, trabalhar o ritmo, o equilíbrio e a coordenação a partir de gestos, assim como expressar seus sentimentos. Ela tem a rica oportunidade de experimentar a si mesma, seus limites; de perceber-se e perceber o outro. É claro que ela tem essas possibilidades através de outros movimentos, entretanto, na dança, ela poderá usar seu corpo com expressividade e com a ajuda da música que abre novas possibilidades como vimos acima.

Jogos teatrais

Os jogos teatrais ou dramáticos são uma modalidade artística fundamental no processo de formação da criança, uma vez que fornecem bases para se trabalhar a criatividade, a socialização, a integração grupal, a imaginação, a flexibilidade, as emoções, o corpo, a memória. Importante não desvalorizar a espontaneidade lúdica e criativa tão característica da criança pequena, exigindo-lhe movimentos estereotipados ou rígidos. Deixe que improvisem, que se apropriem do “texto”, que fiquem descontraídas, que sua linguagem corporal possa fluir. Essas atividades as ajudam a ter noção de tempo, de sequência, de organização e de improvisação de histórias. Uma forma que funciona bem com os menores é ir contando uma história para que eles a “representem”.

Lembro que um de meus filhos, na festinha das mães, era um passarinho que, em vez de voar em volta da flor (uma amiguinha de quem gostava), talvez assustado, ficou parado juntinho dela. E a professora, provocando risos da assistência, brincou: “Um passarinho ficou cansado e parou para descansar”. Isso foi um ótimo exemplo de como precisamos ser flexíveis quando educamos crianças e de como nosso entusiasmo contagia, pois, depois do comentário, ele “voou” um pouquinho. Também vale observar que as representações não precisam ter assistência que não a própria turminha.

agenda-digital-escolar-4

As expressões plásticas (desenhos, pinturas, modelagem) e as outras formas de expressão artística estimulam o senso de si, o pertencimento da criança ao grupo, a autoestima, a autovalorização e a autoexpressão, aspectos essenciais para o desenvolvimento mais equilibrado de nossos pequenos. Vale enfatizar que todos nós temos potencial artístico e criativo, mas ele precisa ser desenvolvido, potencializado.

Arte e educação emocional – primeiras reflexões

Estas habilidades e qualidades que a criança desenvolve através das múltiplas expressões artísticas são também formas de trabalhar sua inteligência emocional. A inteligência emocional é definida por Daniel Goleman como a “capacidade de identificar os nossos próprios sentimentos e os dos outros, de nos motivarmos e de gerir bem as emoções dentro de nós e nos nossos relacionamentos”. Quando falamos de educação emocional estamos nos referindo a desenvolver essa forma de inteligência. Falamos de desenvolver a inteligência intrapessoal (autoconhecimento) e a interpessoal (relações estabelecidas).

É ser capaz de reconhecer e lidar apropriadamente com emoções e sentimentos que surgem como a raiva e o medo com que a criança (e todos nós) se depara com frequência. E este é um ponto fundamental de compreensão: não se trata de não sentir raiva, ciúme ou frustração. Trata-se de saber lidar com emoções que nos assaltam. Pessoas que desenvolvem o equilíbrio, a solidariedade, o respeito pelo outro, a amorosidade, a empatia têm maiores chances de boas relações e de estarem bem consigo mesmas.

Vivemos um momento em que o descuido, o descaso, a insensibilidade se mostram de muitas formas e em várias áreas da sociedade. Corrupção, jogos de poder, interesses corporativos, educação solapada e saúde em crise. Próteses e cirurgias desnecessárias, remédios vencidos sem a distribuição aos que deles necessitam, escolas sem condições mínimas que favoreçam a aprendizagem. Formas dolorosas de violência contra os mais pobres e nas relações interpessoais. Desquilíbrio ecológico e destruição da natureza.

Leonardo Boff enfatiza: “Não há cuidado pela inteligência emocional, pelo imaginário e pelos anjos e demônios que o habitam. (…) Há um abandono da reverência, indispensável para cuidar da vida e de sua fragilidade”.

agenda-digital-escolar-3

Há falta de solidariedade, de respeito, de humanidade, o que nos caracteriza como seres humanos. E a arte nos possibilita a sensibilização e a empatia de que tanto se necessita, o respeito ao diferente, tanto pessoal quanto social. A arte nos torna mais humanos e educa nossas emoções. Precisamos de mais arte.

Grande abraço e até a próxima.

Seus comentários, observações e sugestões são sempre bem-vindos, deixe-os no espaço abaixo que responderei assim que possível.

As fotos foram retiradas da web.

Educar as emoções: possibilitar uma vida melhor

Educar a criança e cuidar dela com carinho significam dar-lhe uma base para toda sua vida. Crianças felizes se tornam adultos que lidam melhor com as dificuldades da adolescência e da fase adulta. Crianças que têm sua corporeidade trabalhada, ou seja, consideradas em sua integralidade física, mental, emocional e espiritual têm chances bem maiores de se transformarem em adultos mais inteiros, que aprendem a valorizar-se e a levar em conta sua totalidade.

Como enfatizei no primeiro artigo, nossa educação está pautada prioritariamente no trabalho mental, e não é difícil encontrarmos adultos com um grande desenvolvimento intelectual, mas imaturos emocionalmente e com sérias dificuldades corporais. É só olhar em volta que encontraremos muitos exemplos disso. Saber lidar com as próprias emoçõesIrmãos-brigando é um dos grandes investimentos que precisam ser considerados tanto na escola quanto em família.

Há muitos estudos de diferentes autores sobre inteligência emocional. Entre eles, os do psicólogo Daniel Goleman são mais conhecidos no campo da Educação. Ele a define como a “capacidade de identificar os nossos próprios sentimentos e os dos outros, de nos motivarmos e de gerir bem as emoções dentro de nós e nos nossos relacionamentos” .

Saber gerir bem as emoções nos possibilita melhores relações em casa, na escola, no trabalho, ou seja lá onde for. Pessoas que desenvolvem a gentileza, a solidariedade, o respeito pelo outro, a amorosidade, a empatia têm maiores chances de boas relações e de estarem bem consigo mesmas. E aí entra o aspecto da espiritualidade, que como observei em texto anterior, nada tem a ver com religião, mas com a possibilidade de nos tornarmos pessoas melhores, de crescermos como pessoas, enfim, de nos tornarmos mais sensíveis, de nos humanizarmos.

Multi-racial children hug eachother

Respirar e relaxar é sentir o próprio corpo, se conhecer um pouco mais, perceber melhor o que acontece conosco e se dar um tempo para esfriar a cabeça quando necessário. É também facilitar a aprendizagem de identificar e lidar com nossas emoções. Significa poder assumir o leme quando elas chegam e geram alguma forma de desequilíbrio. Já ouvi muitos professores (e também outros profissionais) afirmarem que temos que ser racionais acima de tudo, que, na escola, a razão tem que tomar a frente para que a aprendizagem ocorra. Nada mais falso! Vamos de forma objetiva, analisar duas questões.

A primeira, da qual falei no nosso quarto artigo, é que estudiosos de várias áreas de conhecimento apontam que a racionalidade depende das emoções para seu funcionamento equilibrado.  O renomado neurocientista António Damásio pontua que todo conhecimento, por mais racional que seja, se origina no organismo como um todo, o que significa que corpo, mente, emoções e o meio ambiente trabalham em conjunto.

A segunda é que identificar que estamos sob o efeito de uma emoção, seja ela raiva, medo ou qualquer outra, nos permite lidar melhor com a situação. Por exemplo, se estou com muita raiva de alguma coisa, tenho que ter cuidado para não jogá-la sobre quem não tem nada a ver com isso. Gostaria muito de ter podido educar meus filhos (já homens feitos) com o conhecimento que tenho agora. Às vezes, descontava neles, sem me dar conta disso, a raiva ou a frustração que alguma situação gerava.Tudo começava com um aborrecimento com algo que faziam e eu acabava misturando tudo, pois não tinha clareza das outras emoções, o que gerava uma reação desproporcional. E isso pode facilmente ocorrer com qualquer adulto, e com as próprias crianças, por que não?

Se não estivermos conscientes do que sentimos e que gera em nós um desequilíbrio, isso pode nos envolver e dominar. Revolta, inveja, ciúme, raiva, entre outras emoções e sentimentos, são naturais, surgem sem convite. E o problema não são os sentimentos em si, mas, sim, o que fazemos com eles, de que maneira podemos canalizar tais sentimentos ou emoções.

Clipboard01

Pensando mais especificamente nas crianças, que estão ainda começando a identificar as próprias emoções, e que, aos poucos, precisam aprender a lhes dar nomes, temos que considerar que puni-la pelo que sente não faz sentido, mas é necessário educá-la quanto a suas reações. Um amigo professor me contou uma situação que vale ser contada, pois vale mais que muitas linhas de definição.

Era dia de banho de mangueira na escola e a professora mandara um bilhetinho pedindo que se levasse roupa de banho e toalha. A mãe preparou a sacola, mas esta acabou sendo esquecida no carro do pai que levou a criança à escola, em razão da correria quase generalizada de nossos dias. Resultado: o menino não pode participar da festa geral que foi o banho e sua frustração não foi pequena. Quando o pai foi buscá-lo, ao final da aula, o pequeno estava com muita raiva. E cá pra nós, também nós teríamos ficado. Sentado na cadeirinha atrás do assento do pai, quando voltava da escola, ele chutava furiosamente o encosto do banco. No meio do trânsito caótico de uma cidade grande, o pai pediu que parasse mais de uma vez sem resultado. Quando teve a chance, encostou o carro, desceu e conversou com o filho, olhando-o nos olhos. Disse-lhe entender sua raiva, mas que sua reação colocava em risco os dois. Poderia haver um acidente se ele se distraísse com os gritos e os chutes, e que depois conversariam melhor. Esta postura me pareceu muito sensata, pois o pai deu validade à raiva da criança, mas foi firme não aceitando uma postura birrenta, agressiva e, até mesmo, perigosa.

Birra

Outro ponto que não podemos desconsiderar é que crianças aprendem o que vivem. Se temos atitudes que não queremos ver repetidas, não podemos tê-las, e se acontecer (às vezes, nos descontrolamos mesmo), é importante mostrarmos que não foi uma boa forma de reagir. Se aceitarmos manhas e cedermos, ou mesmo se passarmos a mão na cabeça da criança dizendo: “ele(a) é assim mesmo”, “ é o jeito dele(a), “isso é coisa de criança”, “ele(a) é muito nervoso(a)” (agitado(a), temperamental, sensível, …) estaremos dando razão à birra, ou seja, a uma postura inconveniente, que criará problemas inúmeros mais adiante, pois os que nos cercam e a própria vida não serão tão complacentes.

Os famosos combinados que muitos professores adotam é uma boa forma de estabelecer regras para que a criança aprenda a lidar com limites, com os quais terão que lidar a vida toda. Estes combinados podem (e é conveniente que sejam) conversados com a criança, explicados a ela, pois serão mais facilmente aceitos, porque terão sentido para ela. E, claro, também neste caso, vale abrir mão da rigidez caso seja necessário, como dormir um pouco mais tarde se a criança tem amiguinhos que estão com os pais que nos visitam, ou se há um evento na escola que justifique algumas mudanças. Mais uma vez, flexibilidade e bom senso são palavras-chave.

Claro que o assunto não se esgota aqui e que a ele voltaremos. Na próxima quinzena, vamos trazer as manifestações artísticas à cena, pois estas são formas por excelência de expressar emoções, organizá-las e sensibilizar, além de trabalhar a corporeidade.

As fotos desta postagem são de meu arquivo pessoal e da internet.

Seus comentários, relatos e sugestões sempre são muito bem vindos.

Abraços e até a próxima postagem.