Em tempos de isolamento social 1

Em tempos de quarentena, de crianças em casa, de aulas suspensas, mas também de home office, em que os adultos precisam trabalhar, necessitamos criar mecanismos que nos ajudem a acalmar a agitação aumentada da criançada por não poder gastar a energia com as atividades escolares, na pracinha, no parquinho ou na natação. Então, por ora, vou mudar o rumo dos nossos textos, voltando ao previsto mais adiante. Também vou diminuir a peridiocidade de sua publicação para oferecer mais sugestões de atividade.

É preciso dizer também que, apesar de todas as dificuldades que todos nós temos enfrentado, alguns aspectos são muito positivos como o contato mais próximo da criança com a família que, muitas vezes, mal consegue estar com ela.

A expressão artística é a primeira manifestação que não pode faltar: cantar, dançar, representar, desenhar e pintar seja com gizão de cera, lápis de cor, tinta guache ou aquarela. E vale enfatizar que além de ser um meio de tranquilizar a criança, as atividades artísticas têm um poder muito especial de permitir que os pequenos expressem suas angústias, falem de seus receios, façam perguntas, mostrem os sentimentos.

Criatividade e otimismo
Foto de Ana Oliveira Lopes Criatividade e otimismo

Pode parecer que não, mas a criança experimenta a ansiedade que é manifestada nas conversas dos adultos, nos jornais diários pela televisão e na própria tensão que vibra mesmo não sendo vista ou ouvida. Meus dois netos manifestaram sua preocupação. O mais velho, expressou sua apreensão conosco, seus avós, que estamos longe e só nos falamos por vídeo ou telefone (O que acontece com a menor também. Infelizmente estamos mais distantes fisicamente!) Por sermos mais velhos e pertencermos ao grupo de risco, ele manifestou que não quer nos perder, pois somos preciosos para ele. Um doce comentário para nós, mas uma preocupação com ele. Mas pudemos falar sobre isso porque ele conseguiu expressar em palavras. O pai da nossa neta mais nova, ao vê-la chorando, lhe perguntou o que tinha acontecido e ela pôde (e que bom que assim foi) falar de seu medo de que o papai ou a mamãe pudessem morrer. A possibilidade de falar sobre a questão fez uma grande diferença. O medo precisa ser verbalizado sempre que possível. O que não é dito se mantém presente e, muitas vezes, birra, irritabilidade, grude excessivo, aumento da agitação, medo de tudo podem indicar que há algo errado.

A criança, mesmo que pareça entretida com algo que está fazendo, está ouvindo ou percebendo o que acontece a sua volta. Ela tem um “super-radar” do qual nada escapa. Daí a importância de protegê-la de um noticiário mais pesado. Eu mesma, há alguns dias, desliguei a televisão ou, com certeza, já que estava perto da hora de dormir, teria um sono mais agitado. É importante se manter informado, mas não é necessário estar com o rádio ou a tevê ligados em tempo integral. Além disso, a linguagem do rádio e da tevê, com a finalidade mesmo de chamar nossa atenção, já traz elementos discursivos que podem gerar maior tensão.

Então, a ideia é trazer algumas sugestões de atividade que possam entreter nossos pequenos. E vamos começar pela arte. Que criança não gosta de fazer artes e pintar o sete? As atividades artísticas trazem para os pequenos a possibilidade de que se crie uma postura mais harmoniosa e equilibrada diante do mundo, integrando sentimentos, razão e imaginação, e exercitando sua habilidade de discriminar e fazer escolhas, sua capacidade crítica.

Embora possamos elencar muitos ganhos obtidos pela criança ao vivenciar tais atividades como o estímulo à autoestima, à autonomia e à criatividade, um resultado muito importante nos salta aos olhos: elas possibilitam a vivência lúdica, a entrega total a seu fazer. As atividades expressivas como as artísticas e as lúdicas contribuem para que se trabalhe a integralidade do ser, estimulando o intelecto, as emoções e a motricidade, além das relações com o meio e as pessoas. Elas trabalham a corporeidade de que já falamos muitas outras vezes.

Ao estimular a criança a desenhar, contar ou recontar uma história, manipular lápis de cor, giz de cera, pincéis, tinta guache e aquarela, incentivando-a a expressar suas emoções, estamos ajudando-a a se relacionar com o mundo a sua volta e a desenvolver a autocompreensão. Da mesma forma, propiciar-lhe situações em que possa perceber diferentes ritmos, cantar músicas variadas, apreciar imagens, ajudando-a a fazer sua leitura, perceber texturas e formas dos objetos é um modo de lhe oferecer recursos para a leitura de seu mundo.

Mais que um simples passatempo, a arte é uma forma de comunicação da criança consigo mesma e com o mundo. Uma forma de entender o que acontece à sua volta.

O jogo teatral

Brincando com jogos teatrais

Hoje começamos com um recurso expressivo muito significativo para o que estamos vivendo hoje: o jogo teatral. Esta é uma expressão artística, que muito agrada a criança, e que permite que ela exteriorize o que é difícil dizer com palavras. O jogo teatral pode se realizar com o próprio corpo, com bonecos, com fantoches e com o que mais for possível. Há algum tempo, a bermuda vermelha de meu neto virou uma grande fogueira na floresta, que eu, o gigante malvado incendiei. E ele se transformou num corajoso super-herói que enfrentou o fogo para preservar a vida das matas.

Com os jogos teatrais, a criança realiza sonhos, liberta sentimentos acumulados, alivia tensões, resolve problemas, dúvidas e frustrações. Em situações normais, é um excelente meio de socialização, mas em tempos de isolamento social, pode ser adaptado aos componentes da nossa casa. Parte da curiosidade pelo que nos rodeia passa a ser motivo para observar, raciocinar e criar: cenas domésticas, situações na escola, um filme visto…

A criança deve escolher o que quer representar. E as menores, geralmente, partem da própria vivência das situações cotidianas. Lembrei-me agora de quando dei uma maleta de ferramentas para minha neta; ela batia na porta, “tratava o serviço”, fazia o que era necessário, cobrava e se despedia. “Bom- dia, senhora! Qual o problema?”, começava ela. Todos os meus móveis e eletrodomésticos passaram por uma revisão.  Ontem, vi pelo vídeo a máquina de furar e ela me contou que ela virou secador de cabelos. Este é um dos poderes mágicos das nossas crianças, o potencial imaginário e transformador. Potencial que deve ser estimulado e que a arte desenvolve.

A representação pode ser sem palavras, através da mímica: adivinha o que eu estou dizendo? O corpo brincante se encarrega de construir um sem-fim de possibilidades.

Podemos usar uma música ou uma poesia e representá-las…  Uma história pode ganhar um novo final ou novos personagens. Também podemos criar um personagem e uma história para ele.

Brincar de cabaninha ou de casinha oferece múltiplas possibilidades de explorar o universo infantil

Desenvolver a imaginação sempre: usar sons, gestos, criar uma sonoplastia. “Abro a porta… e está rangendo. Preciso colocar óleo. Entro em casa, tiro a roupa, abro o chuveiro, canto no box.  Chiiiii!!! A campainha da porta tocou? Vou fechar o chuveiro para ouvir melhor! Tocou mesmo!!! Quem será? Tenho que me enrolar na toalha. Ai, ai, ai! Agora é o telefone que está tocando, vou atender… Quem estava na porta? E quem ligou para o telefone? Uau!! O chão molhou todo…”  Imaginação não vai faltar.

Esta atividade de criar situações com sonoplastia era muito usada por mim com grupos de crianças quando dinamizava sala de leitura. E pra variar bem, no caso de alunos um pouco mais velhos, eles sorteavam cartões em que havia nomes de fontes sonoras como buzina ou motor de carro, despertador, liquidificador, pregão do vendedor de vassouras, …  Também sorteavam cartões com situações. A ideia era criar e representar a situação com o ruído sorteado. Por exemplo: uma feira com barulho de trator; uma viagem de ônibus com um vendedor de bilhetes de loteria. E o fim era imprevisível…

Naturalmente, as situações e os ruídos se adequavam às idades das crianças e até a sua própria vivência.  Houve um dia em que um grupo me pediu para trabalhar com barulho de sirene e tiros. Eles precisavam elaborar a situação vivida na escola.

Na próxima postagem continuamos. Por ora, ficamos por aqui. E você já sabe: solte a criatividade. Esta não está em quarentena.

Deixe suas sugestões, dúvidas e comentários no espaço abaixo. Responderei logo que possível.

Grande abraço e até a próxima

As fotos são do meu arquivo pessoal e uma delas cedida gentilmente por Ana Oliveira Lopes

 

 

 

Administrator

Lucia Helena Pena Pereira é pedagoga e doutora em Educação. Atua com palestras e oficinas para professores da Educação Infantil, compartilhando a experiência adquirida em pesquisas e em sala de aula na Educação Básica e no Ensino Superior.

Comentários
  • Avatar
    20-abril-2020 às 22:01

    Como sempre seus textos são maravilhosos e contribuem demais para o nosso crescimento e aprendizado acerca das crianças e de nossas relações com elas!! Muito obrigada por nos propiciar momentos tão prazerosos através da leitura dos seus textos, querida e inesquecível professora!! Beijos😘.

    • Lucia Helena
      20-abril-2020 às 23:53

      Guiomar querida,
      Que bom receber seu comentário e saber que os textos contribuem para novos aprendizados e para estabelecer relações melhores com as crianças.
      Beijo grande e carinhoso

  • Avatar
    14-abril-2020 às 09:33

    Recebi de uma amiga e adorei!!
    Obrigada pelas informações vou repassar para meus filhos!
    Angela

    • Lucia Helena
      15-abril-2020 às 19:11

      Olá, Ângela,
      Obrigada por seu comentário. Fico feliz que tenha gostado. Se possível, repasse para quem julgar conveniente, este é um momento de juntar forças.
      Grande abraço

Escreva um comentário

Please enter comment.
Por favor, informe o seu nome.
Please enter your email address.
Please enter a valid email address.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.