Relaxar: aprendizagem para a vida inteira

Como analisamos anteriormente, tensões não são “coisas apenas de adulto”.  E, cada vez mais, dois grandes males do nosso século, depressão e ansiedade, invadem também o mundo infantil. Assim como adultos, crianças obtêm ganhos significativos se aprenderem a relaxar. Enrijecimento muscular, dores de cabeça e de barriga, cansaço e irritação são comuns nos pequenos por excesso de tensão. Um comportamento aparentemente irracional ou uma agitação que extrapola o que é esperado da criança pode ser, também, manifestação de tensão física e/ou emocional.

Muitas são as causas como tratamos em artigos anteriores, mas volto a repetir algumas mais comuns: crianças não brincam tanto quanto deveriam, têm agendas com excesso de atividades, vivem mais num mundo adulto do que naquele adequado à sua idade. E, algumas vezes, é simples lidar com as tensões, basta que a elas se contraponham momentos de prazer. Estes podem ser antídotos perfeitos, pois à contração se segue a expansão, o relaxamento.

Propor formas de relaxar na sala de aula é algo que beneficia a todos (educandos e educadores). No campo educacional, o relaxamento visa, sobretudo, à eliminação ou diminuição de contrações musculares inúteis, gerando uma aprendizagem de liberá-las. O relaxamento tem como objetivo um estado de repouso e de calma interior que proporciona uma integração psicossomática e maior equilíbrio diante das exigências da vida atual, incluindo os processos de aprendizagem.

Como enfatizei no último artigo, respirar é uma forma importante de liberar tensões, ansiedade e de relaxar. Mas há outras possibilidades que podem ser mais facilmente utilizadas quando a agitação da criançada está maior, que devem Leninha5anteceder ou podem até mesmo substituir uma atividade que exija mais quietude. Por exemplo, se a turma está voltando do recreio quando correu e se agitou muito, será quase impossível fazê-la ficar parada respirando ou ficar concentrada em outra atividade de relaxamento. Isso vale para nós, adultos, também. Imagine estar no meio da correria, a mil por hora, e dizerem para você: “para e relaxa agora!”. Difícil, não é? Mas se nos envolvemos em uma atividade relaxante e prazerosa, fica bem mais fácil, concorda? Por isso, se quero levar a criança a um estado de relaxamento, propor uma atividade que a envolva e de que goste pode ter um melhor resultado. Isso inclui se quero introduzir um novo conceito que precise ser trabalhado na aula de matemática ou de qualquer outra área com crianças do ensino fundamental ou mesmo da educação infantil.

Utilizar jogos cantados e brincar com sons: estalar a língua, imitar barulhos diversos, emitir chiados e sibilos (estes dois últimos são bem tranquilizadores) são formas de aprofundar a respiração de maneira muito prazerosa. Trabalhar a voz (cantar e emitir sons diversos) gera a possibilidade de relaxar áreas onde se concentra muita tensão: garganta, nuca, maxilar e diafragma (Vale repetir que isso é válido para qualquer idade).

Deixar que cada um crie sons associados a movimentos que serão repetidos pelo grupo traz uma excelente forma de liberar emoções e tensões musculares, além de gerar movimentos não usuais que mexem com partes diferentes do corpo, trabalhando atenção, concentração e ritmo. E é conveniente estimular a criança a fazer um movimento diferente do coleguinha ou mesmo ajudá-la com sugestões (mas sem críticas) se ela tiver dificuldade de fazer algo diferente. Esta atividade também a ajuda a ir percebendo possibilidades de seu corpo, trabalhando sua percepção corporal e sua criatividade.

Estudiosos da música apontam para o fato de que esta pode ser usada como meio de controle, uniformizando e disciplinando movimentos como a marcha, o que historicamente se mostra repetidamente na educação. Lembremo-nos das filas em que as crianças vão cantando: “um atrás do outro que nem gafanhoto…”, em que a intenção é manter a fila organizada. Esta não é minha intenção aqui. Vejo a música como um meio de desenvolver a sensibilidade, a criatividade e possibilitar a vivência do lúdico e do prazer, de trazer momentos de entrega à atividade, contribuindo para liberar tensões e permitir maior conhecimento do próprio corpo.

E há muitas outras maneiras de relaxar e trago alguns exemplos bem simples e que não exigem muito tempo. Músicas de fundo, mais tranquilas, com um volume mais baixo podem ser usadas, se desejado:

Leninha2

A) Mover o corpo suavemente com a orientação do professor, soltando partes do corpo (vale ressaltar que as articulações guardam bastante tensão);

B) A forma tradicional de relaxamento também pode ser utilizada, com os corpos soltos no chão. Mas aqui tenho uma sugestão que é muito interessante e que facilita tudo para que o corpo brincante da criança se entregue: a visualização criativa. Ela pode imaginar-se como uma pedrinha de gelo que se derrete sob o sol gostoso, um sorvete que derrete na língua, um balão que voa ou uma pipa que faz piruetas pelo céu azul, um barquinho que navega pelas águas calmas da lagoa, e mais tantas imagens que você quiser criar. Este relaxamento ajuda muito nossos pequenos na hora de dormir. E uma dica muito importante: use imagens que façam parte da vida das crianças e que sejam significativas para ela.

A visualização criativa é um processo consciente imaginativo que é usado com uma finalidade específica, e a que proponho, neste momento, é a de relaxar. Ela ativa todos os sentidos do corpo e não apenas as imagens mentais. O número de pesquisas na área médica quanto ao processo de visualização consciente como auxiliar para a cura e o equilíbrio vem aumentando, como aponta o psiquiatra Gerald Epstein, que afirma serem as imagens mentais ou visualização um processo para entrarmos em contato com o nosso interior, de criarmos novas experiências, novas formas de lidar com as diferentes tensões e situações do dia a dia.

C) Deixar que seja usada a massagem entre as crianças.

Leninha 3

Algumas de minhas alunas do Curso de Pedagogia, que já davam aulas durante a graduação, após trabalharmos relaxamento e massagem, os faziam com suas crianças e me contavam muito contentes os resultados positivos que obtinham para conseguir acalmar a criançada e o quanto elas gostavam. Tive, ainda, alguns relatos muito significativos de professoras que trabalhavam na APAE ou mesmo nas escolas regulares com crianças deficientes, que mostravam o quanto estes momentos eram importantes tanto para professores quanto para a criança.

A criatividade pode e deve ser usada livremente. Flexibilidade é, também, uma palavra-chave. Comece com o que lhe parecer mais fácil, “que tenha a sua cara”. O importante é experimentar. E, depois, me conte!!!

No próximo artigo, vamos falar da educação emocional mais especificamente.

As fotos desta postagem são da dissertação de Rosilene Maria da Silva Gaio, por mim orientada.

Seus comentários, relatos e sugestões sempre são bem vindos. Quero muito saber se experimentou e como foi a experiência. Use o espaço do site para isso.

Abraços e até a próxima postagem.

Administrator

Lucia Helena Pena Pereira é pedagoga e doutora em Educação. Atua com palestras e oficinas para professores da Educação Infantil, compartilhando a experiência adquirida em pesquisas e em sala de aula na Educação Básica e no Ensino Superior.

Comentários
  • Avatar
    10-setembro-2016 às 20:37

    Querida Lucia Helena,

    Quem convive ou conviveu com você sabe que sua presença, seus textos, suas aulas e orientações provocam o desabrochar da beleza. Entendendo beleza, nas palavras de James Hillman, como movimentos acesos por dentro, que “fazem-nos reconhecer a alma e seu valor”. Com carinho e admiração!

    • Lucia Helena
      11-setembro-2016 às 19:54

      Que palavras lindas, Patrícia, gratidão por seu carinho. Fico feliz que tenha gostado do artigo e que nossas aulas, textos e orientações ainda tenham repercussão. Beijo grande

  • Avatar
    05-setembro-2016 às 14:45

    Querida Professora!

    Como sempre sua escrita nos ajuda muito!!!! Obrigada por fazer parte de minha trajetória acadêmica. Aprendi e aprendo muitíssimo com você! O texto ficou lindo e as fotos também,. Saudade grande!!!!

    Lúcia, estou trabalhando com os meus pequenos o exercício da respiração…tem dado ótimos resultados!! Você serve de inspiração para que eu consiga vivenciar com as crianças momentos de leveza, de delicadeza, suavidade e harmonia. Obrigada por transmitir tanta sensibilidade!!

    Abraços e tudo de bom!

    • Lucia Helena
      05-setembro-2016 às 21:48

      Obrigada pelo seu carinho de sempre, Leninha!! Gratidão também pelas suas lindas fotos que dão uma vida especial ao texto. Fico muito feliz em vê-la aproveitando aquilo que escrevo. É pra isto que me dedico ao organizar os textos: compartilhar experiências que podem ajudar educadores nessa tarefa tão especial de formar crianças. Os educadores que buscam crescer, aprender, e fazer o seu melhor merecem todo meu respeito e admiração.
      Beijo carinhoso

Deixe uma resposta para Rosilene Maria da Silva Gaio Cancelar

Please enter comment.
Por favor, informe o seu nome.
Please enter your email address.
Please enter a valid email address.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.